23 de setembro de 2015

Alguns pobres mortais como eu, ainda usam um método um pouco "arcaico" de confeccionar placas para seus projetos eletrônicos. Trata-se do método de transferência térmica (Figura 1).
Figura 1: Ferro elétrico esquentando para o procedimento de transferência térmica

Tranferência términa? O que é isso
Para quem ainda não fez ou viu este processo, vou explicar rapidamente.
  1. Após criar o layout da placa em um programa específico, o layout é impresso em um papel. 
  2. O lado impresso do papel é colocado sobre um fenolite (já limpo - eu uso palha de aço para limpar) e a seguir um ferro eletrétrico é usado para aquecer o papel. 
  3. Após algum tempo a tinta que estava no papel solta-se e se fixa no fenolite. 
Pronto. Em poucas palavras é isto que acontece. Para saber um pouco mais sobre este processo, clique aqui. 

Mas daí alguém sempre me perguntam qual o tipo de papel que uso e como faço. Então vamos lá...

Qual papel utilizar? 
Parece não haver consenso entre as pessoas que usam este método sobre um papel adequado. O certo é que eu uso o papel etiqueta, conforme mencionarei nos passos a seguir:
  1. Pego um papel etiqueta, que pode está limpo, ou já ter sido impresso algo em suas etiquetas;

  2. A seguir, imprimo o layout em um papel normal, só para eu ver o posicionamento da impressão;

  3. Depois o papel impresso é colocado ao lado do papel etiqueta. Para saber quais etiquetas precisarei arrancar. Isto por que só arranco as etiquetas em quantidade suficiente para abrir uma "janela" onde será impresso o layout. Com isto, as pontas do papel não ficarão tão frágeis e lisas o que pode dar problemas na hora da impressora puxar o papel;

  4. Arranca as etiquetas desejadas;

  5. E depois é só imprimir.

É isto. Simples assim. O uso deste papel tem dado tão certo que ainda não liguei de tentar usar outros tipos. Se você já usa outro tipo, legal. O importante é no final dê certo.

Por Ronilson Santos

Deixe aqui seu COMENTÁRIO: