31 de dezembro de 2011

Imagem meramente ilustrativa
encontrada na web.
Hoje os funcionários temporários – contratados - da Prefeitura Municipal de Belterra começaram a ser demitidos. Segundo a assessoria de comunicação da Prefeitura, este é um procedimento normal, haja vista que um contrato só pode durar um ano, e por isto todos os temporários estão sendo dispensados. A partir da próxima segunda ( 03/01/2012), cada Secretaria deverá começar contratar novamente de acordo com sua necessidade e orçamento. 

No entanto, nem todos vêem esta medida como normal. Alguns temem que isto seja usado como um método de “seleção”para deixar fora aqueles que não apóiam o governo do prefeito Geraldo Pastana (PT), ou que não participaram das manifestações ocorridas nos últimos dias em Belterra. É claro que esta “seleção” é apenas suposição e só será confirmada a partir da próxima semana, quando as secretarias começarem a chamar, aí sim veremos quem será chamado e quem ficará de fora. 

Este medo desta “seleção” ocorre, porque em Belterra há muito tempo, o medo de apoiar a oposição paira na cabeça de muitas pessoas e como já estamos entrando em ano eleitoral, o pânico toma conta de muitos funcionários. Hoje mesmo, saiu uma denúncia tanto no Portal No Tapajós, quanto no Rota 5 de um servidor alegando que foi demitido porque não participou da manifestação na câmara. Não são poucas as pessoas naquela cidade que afirmam terem sido demitidas por “perseguição política”, porque apoiaram o candidato da oposição ou porque pelo menos colaram um cartaz na frente de sua casa. Este medo não é recente, não começou no atual governo do Pastana não, vem deste o primeiro mandato do ex-prefeito Oti Santos. É claro que não posso afirmar se isto realmente procede, pois não tenho provas, nunca fui vítima – e se tivesse sido eu teria denunciado - mas que este medo existe eu tenho certeza, e se alguém tiver dúvidas é só entrevistar alguns belterrenses que eles confirmarão. Inclusive, este foi um dos maiores motivos, pelo qual eu defendi com tanta veemência que o concurso de Belterra acontecesse este ano. A minha idéia era que o concurso diminuísse o número de empregos temporários e por indicação política e aumentasse o número de efetivos, haja vista que o servidor efetivo sente-se mais confiante. 

Se alguém for ouvir em Belterra, ouvirá relatos de pessoas que tiveram até de mudar de partido, para poder continuar no cargo. Isto é o que comentam por lá. Outros se apegam à um padrinho político, conseguem empregos na prefeitura por indicação política e podem sair a qualquer momento, quando o seu “padrinho”deixar de apoiar o governo. Dizem que até a corrida eleitoral é movida pelos cargos temporários, como são muitos o número de cargos temporários, o prefeito que ganhar pode empregar os seus, aquele que ele quiser, então dezenas de pessoas já fazem campanha visando um emprego... É o que dizem por lá. Mas, não sei se isto procede, por isto o Blog do Ronilson vai ficar de olho neste ano de 2012, para ver se esses “boatos”procedem ou não. 

Apesar de tudo, eu não quero acreditar que este medo de “seleção” faça sentido. Eu quero crer, na versão da assessoria de comunicação da prefeitura de Beterra, que isto é um procedimento natural. E se é um procedimento natural, logo, a “seleção” não existirá. Também não acredito que o medo de apoiar a oposição se justifique. Eu me nego a acreditar, que em pleno estado democrático a administração do ex-prefeito Oti Santos tenha justificado na população o medo de apoiar a oposição e nem que governo do Geraldo Pastana seja capaz de fazer isto também. Mas, se algum leitor já foi demitido e julga ser por perseguição política, compartilhe o caso conosco. Aproveite o espaço e ponha a boca no trombone.

Deixe aqui seu COMENTÁRIO: